Seguidores

sexta-feira, 29 de abril de 2011

Teus olhos amêndoa...




Olhos de amêndoa
olhar agridoce
arco íris no olhar
mulher de olhos bonitos
da cor do mar...

Amêndoas doces teus olhos são
secos de água pela saudade
nos teus olhos vejo a luz
o azul da água do mar
um olhar que me seduz...

olhar amendoado
com travo de amêndoa e mel
gosto do teu doce olhar de mulher
olhar encantado
que me faz viver...

quinta-feira, 28 de abril de 2011

Explicação da Eternidade




devagar, o tempo transforma tudo em tempo.
o ódio transforma-se em tempo, o amor
transforma-se em tempo, a dor transforma-se
em tempo.

os assuntos que julgámos mais profundos,
mais impossíveis, mais permanentes e imutáveis,
transformam-se devagar em tempo.

por si só, o tempo não é nada.
a idade de nada é nada.
a eternidade não existe.
no entanto, a eternidade existe.

os instantes dos teus olhos parados sobre mim eram eternos.
os instantes do teu sorriso eram eternos.
os instantes do teu corpo de luz eram eternos.

foste eterna até ao fim.

José Luís Peixoto, in "A Casa, A Escuridão"

quarta-feira, 27 de abril de 2011

O que valemos ?




Para termos uma noção do pouco que valemos, basta subtrair ao que somos o que aprendemos, o que lemos, o que vivemos com os outros. É só ver o que fica. Coisa pouca. Sozinho quase ninguém é quase nada. É somente juntos que podemos ser alguma coisa.

(MEC)

terça-feira, 26 de abril de 2011

Janela do meu mundo...



Ondas que rebentam
sobre a areia da praia
espuma branca
dissolvem a marca dos meus pensamentos...
Tudo desaparece
numa neblina cinzenta cerrada
olho o horizonte
e penso...

És um sonho
que eu quero sonhar
ao acordar
um rio que desagua em mim
num (a)mar sem fim...

És flor do campo
lágrima e meu encanto
luz da vida
janela do meu mundo
meu pranto...

quinta-feira, 21 de abril de 2011

Na sombra de um raio.




Plena mulher, maçã carnal, lua quente,
espesso aroma de algas, lodo e luz pisados,
que obscura claridade se abre entre tuas colunas?
que antiga noite o homem toca com seus sentidos?
Ai, amar é uma viagem com água e com estrelas,
com ar opresso e bruscas tempestades de farinha:
amar é um combate de relâmpagos e dois corpos
por um só mel derrotados.
Beijo a beijo percorro teu pequeno infinito,
tuas margens, teus rios, teus povoados pequenos,
e o fogo genital transformado em delícia
corre pelos tênues caminhos do sangue
até precipitar-se como um cravo nocturno,
até ser e não ser senão na sombra de um raio.

Pablo Neruda

quarta-feira, 20 de abril de 2011

Insónia.




Noite dentro
o tempo passa lentamente
procuro adormecer
o sono nada me diz
oiço o bater das horas
nesta longa espera...
Queria sonhar
possuir-te em sonhos
tarda
o tempo evapora-se
esfuma-se.
Oiço tua voz lá bem no fundo
será que vens ?
Amanhece
o clarear do dia aparece
de ti nada sei
mais uma noite em branco
neste quarto solitário
onde apenas há insónia
solidão...

segunda-feira, 18 de abril de 2011

Obriga-me...




E por que haverias de querer minha alma
Na tua cama?
Disse palavras líquidas, deleitosas, ásperas
Mas não menti gozo prazer lascívia
Nem omiti que a alma está além, buscando
Aquele Outro. E te repito: por que haverias
De querer minha alma na tua cama?
Jubila-te da memória de coitos e de acertos.
Ou tenta-me de novo. Obriga-me.

(Hilda Hist)

domingo, 17 de abril de 2011

A frescura do dia...




"A frescura na mulher é uma taça inebriante que se gosta de levar aos lábios."

sábado, 16 de abril de 2011

Amar é parir o amor,,,



Através da nudez
da tua alma
pura
como a lua alva
vejo o teu olhar
de ternura...
Preenche os teus vazios
não te vista apenas de saudade
o caminho
faz-se andando
ama
procura a felicidade...
Amar é parir o amor
é o nu
de um parto sem dor
é o seres tu
despida como uma flor...

sexta-feira, 15 de abril de 2011

Num poema despido.




O sol e o mar deram à tua pele
O tom do bronze, a cor da eternidade.
E agora, nos meus olhos de poeta,
És uma deusa eterna a passear
Na praia iluminada.
Imaginada
Num poema despido,
Desafias o tempo, olímpica e sagrada,
Humana só na sombra de o teres sido.

Miguel Torga

quarta-feira, 13 de abril de 2011

Agradecimento.



"Mesmo que a palavra "obrigado" signifique muito, não expressará por inteiro o quanto estou grato pelas vossas palavras de carinho e amizade .
Obrigado a todos."

(Meu filho já se encontra em casa em franca recuperação.)

sábado, 9 de abril de 2011

At My Most Beautiful


Eu encontrei uma maneira de torná-lo
Eu encontrei uma maneira
Uma maneira de fazer você sorrir

Leio poesia ruim
Em sua máquina
Eu salvo seus recados
Basta ouvir a sua voz
Você sempre ouvir com atenção
Para rimas difíceis
Você sempre diz seu nome,
Como se eu não soubesse que é você,
Na sua mais bela



Na minha mais bela
Eu conto seus cílios secretamente
Com cada um, sussurrar eu te amo
Eu deixei você dormir
Eu sei que você está me vigiando de olhos fechados,
Ouvindo
Eu pensei que eu vi um sorriso

sexta-feira, 8 de abril de 2011

Interesses e amor...




"Amor não é interesse, porque quem tem interesse por outra pessoa raramente gosta dela..."

quarta-feira, 6 de abril de 2011

Os primeiros passos...




No silêncio da chuva
de mãos dadas
ensaiamos os primeiros passos
tímido olho
os teus olhos
o reflexo da lua
treme no teu rosto...

Não quero ser limitado
pelo que sinto
quero olhar
no charco de água
e ver os teus olhos
sem mágoa...

Em noites frias
de chuva intensa
quero aquecer-me
no teu lume
e no rasto do meu corpo
sentir o teu perfume...

terça-feira, 5 de abril de 2011

Grito a tua ausência…



Ausente
olho o universo
nada vejo.
Sinto um vazio
fecho os olhos
imagino
teu corpo esbelto
envolto numa áurea
luminosa.
Flutuas no espaço
que me limita
circunda
e controla.
Grito a tua ausência...
Não te vejo
não te sinto
espaço sideral
universo vazio
vácuo total...

segunda-feira, 4 de abril de 2011

Não te Amo




Não te amo, quero-te: o amar vem d’alma.
E eu n’alma - tenho a calma,
A calma - do jazigo.
Ai! não te amo, não.

Não te amo, quero-te: o amor é vida.
E a vida - nem sentida
A trago eu já comigo.
Ai, não te amo, não!

Ai! não te amo, não; e só te quero
De um querer bruto e fero
Que o sangue me devora,
Não chega ao coração.

Não te amo. És bela; e eu não te amo, ó bela.
Quem ama a aziaga estrela
Que lhe luz na má hora
Da sua perdição?

E quero-te, e não te amo, que é forçado,
De mau, feitiço azado
Este indigno furor.
Mas oh! não te amo, não.

E infame sou, porque te quero; e tanto
Que de mim tenho espanto,
De ti medo e terror...
Mas amar!... não te amo, não.

Almeida Garrett, in 'Folhas Caídas'

domingo, 3 de abril de 2011

Passa uma Borboleta por Diante de Mim




Passa uma borboleta por diante de mim
E pela primeira vez no Universo eu reparo
Que as borboletas não têm cor nem movimento,
Assim como as flores não têm perfume nem cor.
A cor é que tem cor nas asas da borboleta,
No movimento da borboleta o movimento é que se move,
O perfume é que tem perfume no perfume da flor.
A borboleta é apenas borboleta
E a flor é apenas flor.

Alberto Caeiro, in "O Guardador de Rebanhos - Poema XL"
Heterónimo de Fernando Pessoa

A Primeira Palavra que em Toda a Minha Vida me Esgotou o Ser



Uma palavra. Disse-a. Amo-te - uma palavra breve. Quantos milhões de palavras eu disse durante a vida. E ouvi. E pensei. Tudo se desfez. Palavras sem inteira significação em si, o professor devia ter razão. Palavras que remetiam umas para as outras e se encostavam umas às outras para se aguentarem na sua rede aérea de sons. Mas houve uma palavra - meu Deus. Uma palavra que eu disse e repercutiu em ti, palavra cheia, quente de sangue, palavra vinda das vísceras, da minha vida inteira, do universo que nela se conglomerava, palavra total. Todas as outras palavras estavam a mais e dispensavam-se e eram uma articulação ridícula de sons e mobilizavam apenas a parte mecânica de mim, a parte frágil e vã. Palavra absoluta no entendimento profundo do meu olhar no teu, palavra infinita como o verbo divino. Recordo-a agora - onde está? Como se desfez? Ou não desfez mas se alterou e resfriou e absorveu apenas a fracção de mim onde estava a ternura triste, o conforto humilde, a compaixão. Não haverá então uma palavra que perdure e me exprima todo para a vida inteira? E não deixe de mim um recanto oculto que não venha à sua chamada e vibre nela desde os mais finos filamentos de si? Uma palavra. Recupero-a agora na minha imaginação doente. Amo-te. Na intimidade exclusiva e ciumenta do nosso olhar mútuo e encantado. Fecha-nos o lençol na claridade difusa do amanhecer, estás perto de mim no intocável da tua doçura. Frágil de névoa. Fímbria de sorriso e de receio, de pavor, no meu olhar embevecido. Uma palavra. A primeira que em toda a minha vida me esgotou o ser. A que foi tão completa e absorvente, que tudo o mais foi um excesso na criação. Deus esgotou em mim, na minha boca, todo o prodígio do seu poder. Ao princípio era a palavra. Eu a soube. E nada mais houve depois dela.

Vergílio Ferreira, in 'Para Sempre'