Seguidores

sábado, 29 de dezembro de 2012

Mais perto do Céu...


Subi à montanha
e mais perto do Céu
sonhei-te nas minhas mãos
corpo escultural feminino
conheço o amor
não conheço o teu corpo
divino...

Quero agarrar uma estrela
quando for noite
agarrar sonhos
sem o teu brilho a vida é escura
existência sem sentido
triste...


Olho as estrelas
e neste silêncio
penso se no Céu existe
um Céu para quem ama....

Literatura.


Sinopse
Romance, ficção documentada, relato das errâncias de um narrador europeu do século XXI através do universo mental do iluminismo, A Cidade do Homem é a biografia imaginada de António Dinis da Cruz e Silva (1731-1799), magistrado e poeta árcade que viveu, trabalhou e poetou em Portugal e no Brasil. Participante ativo nas polémicas que, durante o consulado de Pombal, agitaram o Reino e a Europa, foi juiz militar em Elvas e autor de O Hissope, sátira à querela protocolar entre o bispo e o deão da Sé da cidade alentejana. Presente desde o início no imaginário do protagonista, o Brasil torna-se o cenário da narrativa com a transferência de Cruz e Silva para a Relação do Rio de Janeiro em 1776. A partir desse ano, servidor da Justiça e de Apolo, julgou e poetou nas capitanias do Sul, sobretudo em comarcas do Rio e de Minas, privando com os juristas e árcades locais. Em 1792, seria membro do tribunal que julgou e condenou na capital do Brasil os inconfidentes mineiros, entre eles os seus companheiros mais próximos nas lides judiciais e na poesía. Numa digressão através da História e das ideias em busca da polis racional, A Cidade do Homem centra-se-se na condenação dos conspiradores à morte ou ao degredo, evocando uma época que, na Europa, em Portugal e no Brasil nas vésperas da independência, prenunciou os antagonismos e as hecatombes do nosso tempo.

terça-feira, 25 de dezembro de 2012

Solidão!

Navego neste mar
imenso
pensamento no pensamento...

O mar fala-me
sobre ti
o Céu por cima de mim
ilumina-me...

Mas...
todo o amor é desejar
e eu desejo-te
neste imenso mar...

quinta-feira, 20 de dezembro de 2012

Natal é sempre que um homem quiser!



A vida renova-se
com vida nova
e só assim faz sentido
nascer
viver
morrer
mas para que a vida faça sentido
é preciso dar sentido à vida...

Não interessa apenas dizer
de palavras está o mundo cheio
há que fazer
por nós
pelos outros
para que possamos todos viver
em harmonia
paz
e alegria...

O Natal está aí
crianças no aconchego do seu lar
escrevem cartas ao pai Natal
no bairro de lata
ouvem-se crianças a chorar
querem comer não têm pão
rezam e não sabem porque razão
uns têm tudo
e outros não...

E no interior do meu ser
sinto o grito
do poeta!

Natal é sempre
que um homem quiser...

quarta-feira, 19 de dezembro de 2012

"Como a gente se perde!



A linguagem que o meu sangue entende — é esta. A comida que o meu estômago deseja — é esta. O chão que os meus pés sabem pisar — é este. E, contudo, eu não sou já daqui. Pareço uma destas árvores que se transplantam, que têm má saúde no país novo, mas que morrem se voltam à terra natal."

Miguel Torga.

sábado, 15 de dezembro de 2012

A neve cai lá fora!



quarta-feira, 12 de dezembro de 2012

Terror de Te Amar.



Terror de te amar num sítio tão frágil como o mundo 

Mal de te amar neste lugar de imperfeição 
Onde tudo nos quebra e emudece 
Onde tudo nos mente e nos separa.

Que nenhuma estrela queime o teu perfil
Que nenhum deus se lembre do teu nome
Que nem o vento passe onde tu passas.

Para ti eu criarei um dia puro
Livre como o vento e repetido
Como o florir das ondas ordenadas.

Sophia de Mello Breyner Andresen, in “Obra Poética”

domingo, 9 de dezembro de 2012

Literatura

Tereza Batista Cansada da Guerra.

Jorge Amado.

No sertão de Sergipe, perto da fronteira com a Bahia, aos treze anos incompletos a órfã Tereza Batista é vendida pela tia a um fazendeiro pedófilo e brutal. Depois de estuprá-la, ele a mantém cativa em sua propriedade. Amadurecida precocemente, e do modo mais doloroso, a menina se tornará uma mulher valente e decidida. Tereza Batista é sem dúvida uma das mais fascinantes heroínas de Jorge Amado, talvez a mais completa e complexa, que reúne os atributos de todas as outras: a valentia de Rosa Palmeirão, a sensualidade de Gabriela, a doçura de dona Flor, a altivez de Tieta.
As peripécias dessa heroína que "tinha aversão a badernas", que "não tolerava ver homem bater em mulher" são contadas por várias vozes. Um funcionário público, um pai-de-santo, a célebre ialorixá Mãe Senhora e até o poeta Castro Alves, retornado do mundo dos mortos, ajudam a relembrar e exaltar os feitos da protagonista. Um dos mais notáveis deles - ter comandado as meretrizes de uma cidade no combate a uma epidemia - é narrado à maneira de um romance de cordel, no capítulo "ABC da peleja entre Tereza Batista e a bexiga negra". Em outro episódio, ela lidera uma greve de prostitutas em Salvador. Em um terceiro, nocauteia um homem num cabaré de Aracaju depois de vê-lo bater na amante.
Escrito em 1972, quando Jorge Amado tinha sessenta anos, Tereza Batista cansada de guerra atesta a maestria desenvolvida pelo escritor baiano ao longo de quatro décadas de literatura. No conjunto de seus romances, destaca-se como um dos mais vigorosos do ponto de vista político - fato ainda mais notável por ter surgido no auge da ditadura militar - e um dos mais ousados no terreno do erotismo.

Vela de acender.

Vela de acender, vela de navegar,Ela é quem me dá asas pra voar(Jorge Vercillo)

recebi da minha querida amiga Zil Mar do blog euemmim-recomecar.blogspot. este lindo selo,agradeço o carinho,a lembrança..


Vela de acender, vela de navegar,Ela é quem me dá asas pra voar(Jorge Vercillo)

 

Obs.Deixo à disposição para quem queira levar .

Boa semana.



sábado, 8 de dezembro de 2012

Caminhos

"O corpo é um caminho: ponte ,e neste efémero abraço busco transpor o abismo."

sexta-feira, 30 de novembro de 2012

A propósito de livros!



"Dizes tu que os livros te não consolam!? Que te irritam!? Que blasfémia, minha Júlia! Pois há lá melhores amigos!? Os livros, mas livros destes em que a alma dos bons anda sangrando por todas as suas páginas; livros
 que eu beijo de joelhos, como se enternecidamente beijasse as mãos benditas dos que os escreveram! Lê os versos de António Nobre, o meu santo poeta da Saudade. Lê o «Fel» de José Douro, o malogrado poeta esquecido e desprezado. Lê «Doida de Amor» de Antero de Figueiredo, e depois diz-me se eles te irritam!..."

(Florbela Espanca)

Bom fim de semana.

terça-feira, 27 de novembro de 2012

Desejo.


Há dentro de mim um desejo
que queima as minhas entranhas
o aninhar-me no teu corpo
amar-te até sentir a dor
do teu amor em lágrimas...

Porque o meu desejo é
fogo que me faz arder
me enche de luz
o mesmo que me ilumina
me inflama de tanto te querer...

Tu, imagem dos meus desejos
enlouquecidos pelos teus cheiros de fêmea
desejos de sorver a tua carne
em grandes beijos
fundir-me em ti minha alma gémea...

domingo, 25 de novembro de 2012

domingo, 18 de novembro de 2012

Amo os teus olhos...

Na fonte dos teus olhos
vivem os meus
brilhantes
que olham
para o Céu...

Poderia com os meus olhos
escrever a palavra amar
na fonte dos teus olhos
amor profundo
olhando os teus
espelhos do mundo...

Para onde for
levarei a fonte do teu olhar
para que se fundam nos meus
no meu chorar...

sábado, 17 de novembro de 2012

Luz...


Tu és
meu farol
minha fonte de luz
Sol...

meu mar
e lua
poética mansidão da madrugada
sonhos
inquietação da alma
flor perfumada...

água
e mágoa
brilho do meu farol
lágrima que se esvai
meu pôr do Sol...

sexta-feira, 9 de novembro de 2012

Desculpas...

O amor ou não desculpa nada,
ou desculpa tudo!
(Balzac)

Bom fim de semana.

sábado, 3 de novembro de 2012

Silêncio

"O silêncio só é silêncio, quando não conseguimos escutar com o coração."

quinta-feira, 1 de novembro de 2012

Pecar!

"Toda a mulher merece viver uma grande paixão,
sentir um toque de ternura,
Nem que para isso...
tenha de pecar."

terça-feira, 30 de outubro de 2012

Falei de ti à Lua...

Eu já falei tanto de ti à lua,que ela já me disse que te quer conhecer...

segunda-feira, 29 de outubro de 2012

Dia Nacional do livro.

"A leitura de livros - ficção, romance, novela, poesia - é hoje, talvez, a mais enriquecedora forma de estar sozinho sem estar só. Num tempo em que sobem os níveis de stress, se sofrem os efeitos do excesso de informação quase impossível de assimilar, aumenta vertiginosamente o número de pessoas que vivem sós, se formam ilhas e redutos onde antes se convivia, se perde a individualidade e a interioridade, os livros são um antídoto garantido. E também para aturar os inúmeros maçadores que nos rodeiam e ameaçam atrapalhar a nossa vida."

domingo, 28 de outubro de 2012

A Feira das Vaidades.

A Feira das Vaidades é o primeiro romance de William Thackeray que em 1847, quando começou a publicá-lo em fascículos, era ainda praticamente desconhecido do público. Considerada um clássico, esta obra é uma sátira à classe alta de Londres que, enquanto centenas de milhares de homens morrem nos campos de batalha, vítimas das atrocidades das Guerras Napoleónicas, continua imperturbável e feliz, a beber os seus cálices de Porto e Madeira no meio dos maiores excessos, luxos e loucuras. 
A história centra-se em duas alunas da escola de Miss Pinkerton que se tornam as melhores amigas: a falsa, sedutora e ambiciosa Rebecca Sharp, mais conhecida por Becky, orfã e sem rendimentos, e a inocente e pura Amelia Sedley, filha de uma família da alta burguesia. Juntas, as duas amigas vão viver grandes momentos de paixão, sofrimento e vingança.

A ti regresso mar...


Mar!
onde não cabe o meu desejo
donde parto e não regresso
onde olho e não te vejo
amor... que tanto por ti padeço...

mar!
A ti regresso mar
deixa-me adormecer no dorso das tuas vagas
embalado no vai e vem da minha dor...

Mar!
que guardas tantos segredos
no vai e vem das tuas ondas
embala os meus medos...

sábado, 27 de outubro de 2012

premio Dardos


Recebi da minha querida amiga ZilMar do blog ...rEcOmEçAr... http://euemmim-recomecar.blogspot.be/

Desde já agradeço o carinho e a simpatia.


transcrevo as informações sobre o selo do prêmio .
O Prêmio Dardos foi criado pelo escritor espanhol Alberto Zambade que, em 2008, concedeu no seu blog Leyendas de “El Pequeño Dardo”o primeiro Prêmio Dardo a quinze blogs selecionados por ele. Ao divulgar o prêmio, Zambade solicitou aos blogs premiados que também indicassem outros blogs ou sites considerados merecedores do prêmio. Assim a premiação se espalhou pela Internet.
Segundo o seu criador, o Prêmio Dardo destina-se a “reconhecer os valores demonstrados por cada blogueiro diariamente durante seu empenho na transmissão de valores culturais, éticos, literários, pessoais etc., demonstrando, em suma, a sua criatividade por meio do seu pensamento vivo que permanece inato entre as suas palavras”.
As regras do prêmio estabelecem que os indicados, depois de dizerem quem os presenteou, poderão exibir no seu blog/site o selo do prêmio e deverão indicar outros dez, quinze ou vinte blogs ou sites que preencham os requisitos acima para o recebimento do prêmio.
Como não quero fugir da regra  estabelecida enumero meus indicados mesmo pensando que muitos outros Blogs tb sejam merecedores.


1-Sussurros..-http://soniagmicaelo.blogspot.be
2-conversas de café - http://conversasdecafe-flor.blogspot.be
3-CoNSTRuiR... - http://blog.daysesene.com
4-Divina Fimiminilidade - http://divinaefeminina.blogspot.be
5-Artes 100 fronteiras - http://artessemfronteiras.blogspot.be
6-*Cantinho virtual da Rita*-http://cantinhovirtualdarita.blogspot.be
7-amadeirado-http://amadeirado.blogspot.be
8-AS TRÊS PIRAMIDES-http://trespiramides-multiolhares.blogspot.be
9-ORVALHADAS de SAUDADE-http://orvalhadasdesaudade.blogspot.be
10-.flor de lis-http://lis-costa.blogspot.be

sexta-feira, 26 de outubro de 2012

Toco-te!




Este amor que a ti me prende
meu doido coração
que de ti depende
fogo que arde
de paixão...

Chama que me queima
paixão incandescente
saudade
desespero e dor
meu anjo meu amor...

E toco-te...
oh!como és linda meu amor
perdoa-me por te amar tanto...

quarta-feira, 24 de outubro de 2012

Lembro-me de ti.


Lembro-me
do som dos teus passos
do teu primeiro sim
dos lábios bem amados
do frenesim que senti
quando te abracei
nos meus braços...

Lembro-me
de todos os abraços
da tua mão na minha
da mão que me acariciou
das noites de luar
das manhãs de sol
dos beijos à beira mar...


Hoje acordei ao som da saudade
do sabor a sal do teu corpo
tal como o cheiro a jasmim
desejei teus lábios
teu beijos
sentir-me dentro de ti...

terça-feira, 23 de outubro de 2012


Em tons de aurora.

Tua pele
reflexos da lua
tons de aurora
no azul do teu olhar
ruivo o teu  cabelo
carne em flor
desejo que me chama
para te beijar...

segunda-feira, 22 de outubro de 2012

Vazio!


Neste mar aberto
há um vazio
de recordações
vazio deserto
mar de ilusões...


Hoje
desfraldo as velas
de outrora
do dia em que parti
por esse mar afora...

Mar de sonhos
vendavais dentro de mim
vagas de sofrimento
do dia em que te perdi...


...O tempo passou por mim
mas o meu pensamento
permanece em ti...

domingo, 21 de outubro de 2012

Homenagem ao poeta Manuel António Pina.

Que descanse em paz.


A Poesia Vai Acabar

A poesia vai acabar, os poetas
vão ser colocados em lugares mais úteis.
Por exemplo, observadores de pássaros
(enquanto os pássaros não
acabarem). Esta certeza tive-a hoje ao
entrar numa repartição pública.
Um senhor míope atendia devagar
ao balcão; eu perguntei: «Que fez algum
poeta por este senhor?» E a pergunta
afligiu-me tanto por dentro e por
fora da cabeça que tive que voltar a ler
toda a poesia desde o princípio do mundo.
Uma pergunta numa cabeça.
— Como uma coroa de espinhos:
estão todos a ver onde o autor quer chegar? —

Manuel António Pina, in "Ainda não é o Fim nem o Princípio do Mundo. Calma é Apenas um Pouco Tarde"

sábado, 20 de outubro de 2012

Em todos lugares o encontro....


Sobre o céu
o mar
o teu corpo
em todos os lugares
o encontro
num desejo louco
de o amar...

Deixa que o mar
o molhe
a maresia o perfume
que o vento que sopra nas dunas
o transforme...

Num corpo impudico
desfolhado
sobre o meu leito
Nu desejado
delicioso pecado
que sufoca meu peito...

quinta-feira, 18 de outubro de 2012

Juntos sonharemos os dois...




Fala!
ouvir-te-ei
conta-me o teu sonho
amor porque não vens com a noite?
sofro por não te ter
frias noites que parecem anos
vem!
antes do amanhecer...

Triste solidão
ó noite triste
a lua é a tua ausência
O sonho não existe...

Vem...ouvir-te-ei
e juntos sonharemos os dois
a lua brilhará
os sonhos rasgarão a noite
e o amanhecer virá depois...

quarta-feira, 17 de outubro de 2012

Poção mágica...




E no brilho do teu olhar
a magia do luar
olhar que me enfeitiça
olho-me nos teus olhos
princesa dos meus sonhos...


Olhos bonitos
doce feitiço
poção mágica
alquimia
lua intensa iluminada...

Que luz brilhante a tua
princesa encantada
"bruxa"
que se insinua
Lua enfeitiçada...



segunda-feira, 15 de outubro de 2012

Se!..



Se dependesse de mim,viverias para além da vida,
imortalizava o teu encanto
amar-te-ia intensamente,como se a morte
fosse sempre um tempo presente...

sábado, 13 de outubro de 2012

Beija-me!



És o melhor beijo da minha vida
boca com sabor a mel
beijo sonhado que nunca dei
rubro ardente
minha boca colada na tua pele...

Beija-me!
Purifica o meu amor
com o teu beijo de mulher
acorda-me deste sonho
com o mais puro
que do teu beijo houver...





A lua tem os olhos claros
tristes do meu olhar
do beijo sonhado que nunca te dei...







Bom fim de semana!

Cómo voy a lograr que aún me quieras
Cómo lograr que quieras escuchar
Cuando este fuego me desvela
pero despierto solo una vez más

Cómo lograr verte de nuevo, oh 
Cómo he de recobrar tu corazón
Cómo aceptar que todo ha muerto
si ya no hay forma de pedir perdón

Que mal, que mal
esta absurda y triste historia
que se pone cada vez peor
Que mal, que mal
porque ni puedo hablarte
Temo que es así
ya no hay forma de pedir perdón

Que mal, que mal
esta absurda y triste historia
que se pone cada vez peor
OH, que mal, que mal
porque ni puedo hablarte
Temo que es así
si ya no hay forma de pedir perdón

Cómo lograr que aún me quieras, oh!
Cómo lograr que quieras escuchar
cuando este fuego me desvela
Qué es lo que voy a hacer
qué es lo que voy a hacer
Si ya no hay fomrma de perdir perdón

terça-feira, 9 de outubro de 2012

Me chama mar..


Calmo mar
de poesia e silêncio
saudades de por ti navegar
deixa-me viver esta ilusão
de que hoje seja amor
amanhã solidão...


Tu minha ilusão perfeita
amor que ilumina a minha alma
meu amor na noite
no sono no sonho
tudo o que desejo
a(mar)que me acalma...

Diante dos meus olhos vejo a ilusão
 dentro do meu peito
bate forte por ti  o meu coração...

Me chama mar
me leva para onde
não me alcança
o seu olhar...

segunda-feira, 8 de outubro de 2012

Mas o amor é mesmo assim!

No amor
cabe tudo lá dentro
o desejo
a paixão
os sonhos
a ilusão...

No amor
há mais que o querer
é partilhar a vida
é poesia
é ver o sol nascer...

O amor é muita coisa junta
não cabe nas palavras
nos beijos
na resposta
na pergunta...

No amor
esquece-se tudo
a tristeza a dor...

Mas o amor é mesmo assim:
absoluto estúpido
tudo menos sensato...

sábado, 6 de outubro de 2012

Se eu pudesse!




Se eu pudesse agarrava-te
todos os dias nos meus braços
Abraçava-te
e com juras de amor
te entrelaçava...


Ai! se eu pudesse
guardava-te sempre perto de mim
mesmo que não te ouvisse
ou que tu não me falasses
mesmo assim eu beijava-te
acariciava-te
te mostrava como gosto de ti...

Se eu pudesse
puxava-te para mim
e dizia-te que a distância também aproxima as pessoas...

terça-feira, 2 de outubro de 2012

"Contigo serei sempre uma primeira vez.
E assim continuará a sê-lo,pois para quem ama 
não há distância e é eterno o tempo..."

segunda-feira, 1 de outubro de 2012

SOS

 Gadget Seguidores.


O meu gadget desapareceu já à algum tempo,no seu lugar aparece:








(Lamentamos...
A miniaplicação está configurada incorrectamente. Sugestão para o webmaster: certifique-se de que "Definições do Google Rede Social - URL da página inicial" corresponde ao URL deste site.)

Já virei inclusive o computador de pernas para o ar,não deu resultado.Há por aí alguém que me possa ajudar!

Desde já, o meu muito obrlgado.