Seguidores

quarta-feira, 18 de março de 2015

Paraíso imperfeito !




O mar é imenso
o amor é o céu inteiro
mas o meu amor é maior...

Nosso amor é assim
paraíso imperfeito
e quando o amor morrer dentro de ti
serás minha até ao fim dos sonhos...


Manuel Marques (Arroz)

sexta-feira, 13 de março de 2015

Contigo aprendi a amar...

Pegavas-me na mão
e  protegias-me com o teu olhar
dizias que me amavas
eu sorria...

Atravessava a noite apenas
para te olhar, tocar-te
contigo vinha a madrugada
e a nudez do teu corpo...

Foi contigo que aprendi a amar
quando tocava o teu corpo
e olhava os teus olhos...


Manuel Marques (Arroz)

sábado, 7 de março de 2015

As noites que não tivemos juntos...

Viraste-te para o outro lado e sumiram-se os sonhos
se fez noite entre nós dois
e ficaram perdidas as noites que não tivemos juntos...

Quero destruir o silêncio
semeá-lo com sonhos de amor
amando-te  fazemos juntos a noite
para ti meu amor é cada sonho
e cada sonho alivia a minha dor...


Manuel Marques (Arroz)

domingo, 1 de março de 2015

A noite e o silêncio que nos une...

Tu és a minha dor
o Sol e a chuva
tu és a saudade...


Todos os caminhos me servem
em todos os caminhos te amarei
e quando a noite vier
O sonho é para nós o amor...

Manuel Marques (Arroz)

sábado, 14 de fevereiro de 2015

Meu corpo no teu corpo adormecido...

O meu desejo traz o perfume dos teus sonhos
e agora que a noite se insinua
invento para ti a loucura e o amor...

Meu corpo no teu corpo adormecido
nas minhas mãos vazias continua
teu corpo vem como vem a noite
eu vivo da esperança  e da luz do teu amor...


E quanto mais te perco mais te encontro
O meu peito abriga o teu amor e morre...


Manuel Marques (Arroz)

sexta-feira, 6 de fevereiro de 2015

Resta-me uma estrela...


Perdem-se os meus olhos no vazio da noite
Olho a estrela que te resta
estrela que brilha num céu cinzento
meu corpo treme de desejo
amo-te...


Mas tudo é deserto nas minhas entranhas
minha alma é vazia
no meu vazio nasce a minha fantasia
te dou um Céu Cheio de Estrelas...


Manuel Marques (Arroz)

domingo, 1 de fevereiro de 2015

Escrevo este poema de lágrimas e silêncio em nome do Amor que não houve...




Ardem no meu coração os sonhos
e esse fogo que me queima
é a dor do teu olhar calado...

Quando à noite ficamos sós
o passado é um tempo que não passa
sonho o amor em silêncio
perco-me dentro de nós...

Deixa-me morar em ti mais uma noite
deixa-me ficar
fica em mim meu amor....



Manuel Marques (Arroz)