Seguidores

segunda-feira, 4 de julho de 2016

Desnuda-te...


Há um desejo que me empurra como se o teu corpo fosse meu
o meu coração cansado desta solidão bate  forte
quem nos proibe amor de nos tocar-mos ?

Desnuda-te ao menos uma vez perante o meu desejo
ama-me como sempre sonhas-te em amar-me
e deixa-me ouvir a tua voz na escuridão do silêncio...

Manuel Marques (Arroz)

segunda-feira, 27 de junho de 2016

Na minha boca o teu sabor a mel...

Tenho demasiado medo da minha própria solidão
o meu amor por ti é como o vento,calmo ou furacão
é como se fosse  tu e eu dentro de mim...

Nas minhas mãos ainda tenho o perfume da  tua pele
o soletrar do teu corpo
e na minha boca o teu sabor a mel...

Manuel Marques (Arroz)

terça-feira, 21 de junho de 2016

Como são estranhos os caminhos do amor...

Nunca te tive mas sempre te amei
eu sonhava com os teus beijos e tu não sabias
ah ! Se pudesse parar o tempo...

Aonde estão os beijos que não te dei
procuro no meu corpo na minha alma,mas não os encontro
com são estranhos os caminhos do amor...

Manuel Marques (Arroz)
...

terça-feira, 7 de junho de 2016

Num sonhado e infinito longo beijo ,desapareci sem me despedir de ti...

Há pedaços de mim perdidos no tempo
uma vaga saudade do aroma do teu corpo
saudades das madrugadas em que dançava-mos...

juntos transcendemos o limite do amor
sinto saudades de algo que nunca foi
pega na minha mão e leva-me a dançar...

Manuel Marques (Arroz)
...

sábado, 21 de maio de 2016

No teu corpo recomeça o mundo...


De  onde vem a tua voz que me rasga por dentro
tu vens fundes o teu corpo no meu
quando te beijo é longa e profunda a noite
meu poema é amor volúpia ardente..

Tateio no escuro o amor que procuro
encontro no sonho a razão da existência
no teu corpo recomeça o mundo...

Manuel Marques (Arroz)

quinta-feira, 19 de maio de 2016

Só me resta o tempo, para que não se acabe o nosso tempo...


No silêncio da minha própria voz
fico aqui sentado chorando cada lágrima
e de memória em memória atravesso o nosso amor

Agarro-me ás ilusões
recordo os olhares e os sonhos
só me  resta o tempo, para que não se acabe o nosso tempo...

Manuel Marques (Arroz)

domingo, 15 de maio de 2016

Recrio o amor no teu corpo...

0 brilho dos nossos olhos são a razão do nosso amor
mas são as saudades que me entristecem
olho-te de novo e tu olhas para mim...

E nos passos do silêncio da noite
recrio o amor no teu corpo
é o que resta de mim em ti ...

Manuel Marques (Arroz)