Seguidores

sábado, 21 de maio de 2016

No teu corpo recomeça o mundo...


De  onde vem a tua voz que me rasga por dentro
tu vens fundes o teu corpo no meu
quando te beijo é longa e profunda a noite
meu poema é amor volúpia ardente..

Tateio no escuro o amor que procuro
encontro no sonho a razão da existência
no teu corpo recomeça o mundo...

Manuel Marques (Arroz)

quinta-feira, 19 de maio de 2016

Só me resta o tempo, para que não se acabe o nosso tempo...


No silêncio da minha própria voz
fico aqui sentado chorando cada lágrima
e de memória em memória atravesso o nosso amor

Agarro-me ás ilusões
recordo os olhares e os sonhos
só me  resta o tempo, para que não se acabe o nosso tempo...

Manuel Marques (Arroz)

domingo, 15 de maio de 2016

Recrio o amor no teu corpo...

0 brilho dos nossos olhos são a razão do nosso amor
mas são as saudades que me entristecem
olho-te de novo e tu olhas para mim...

E nos passos do silêncio da noite
recrio o amor no teu corpo
é o que resta de mim em ti ...

Manuel Marques (Arroz)

segunda-feira, 9 de maio de 2016

Teu corpo é a noite onde me escondo...

Porque a minha alma é louca
quero a tua noite
porque é de ti que me vem o fogo...


Busco um toque teu perdido na noite
vem, toca-me não me dês  o teu silêncio
não esqueças a noite carregada de desejos...


A noite fala e só nós os dois a entendemos.
podes chegar apenas pela madrugada com um beijo
teu corpo é a noite onde me escondo...

Manuel Marques (Arroz)

terça-feira, 3 de maio de 2016

Mágoas...


A palavra  saudade é a mais sentida
e o amor que sinto
não é mais que uma ferida...

Tu estás em mim
porque em cada lugar te sinto
e as mágoas que eu tenho são tuas também...

São mágoas que sangram
com raiva do amor
sinto-as nas minhas entranhas
dilaceradas pela dor...

Manuel Marques (Arroz)

sexta-feira, 22 de abril de 2016

Flor mulher...


Mulher de encantos
que me transformas os sonhos
em ilusões perdidas...
Mulher dos meus prantos
menina mulher
de noites sofridas...
Tu és flor mulher
menina cheia de alegria
o amor te ensina, a ser menina...

Manuel Marques (Arroz

segunda-feira, 28 de março de 2016

Como são belas as tuas mãos...

Carrego no corpo as marcas  do nosso desejo abafado
nossas mãos ávidas deslizam nos labirintos da vida
sinto tua mão suave  deslizando sobre meu rosto...

Luto para sobreviver ao tempo errado em que nascemos
no meio da noite de todas as tormentas mora a minha paz
como são belas as tuas mãos...

Manuel Marques (Arroz)